• engajesite

O que aprendemos com o Caso Flow? Precisamos falar sobre reputação

Atualizado: 28 de jul.



Não é à toa que a Defesa da Reputação está entre as principais tendências de marketing para o ano recém iniciado. A soma de consumidores vigilantes e super conectados, da polarização extrema e da forte demanda por propósito e posicionamento das marcas, geraram um ambiente potencialmente explosivo. Assim, a quantidade e a intensidade das crises de reputação tendem a acelerar daqui para frente.


O caso do Flow Podcast é um bom indicativo do que temos pela frente. Semana passada, o podcaster Bruno Aiub, o Monark, um dos fundadores do Flow, virou assunto de todas as mídias (e da Procuradoria Geral da República) depois de afirmar que o Brasil deveria ter um partido nazista. Só que, junto com o comentarista (desligado do programa), a situação arrastou também as marcas patrocinadoras do Flow, que tiveram que agir rapidamente para desassociar sua imagem da vinculação com o podcast.


Ainda estamos por ver desdobramentos do caso, mas, por hora, parece que a ação rápida dos patrocinadores, de abandonar o barco antes do naufrágio, parece ter sido a mais acertada. Afinal, num ímpeto para ‘lacrar’, o Monark radicalizou muito além do razoável em tempos de cancelamento.


REPUTAÇÃO EM CHAMAS


Mas nem sempre o cenário é tão simples. A crise do Flow lembra outro caso recente, em que o Bradesco se viu em meio a protestos de criadores de gado, que chegaram a promover churrascos em frente das agências. O banco foi atacado por patrocinar conteúdo de influencers considerado ofensivo aos pecuaristas. Em uma ação visando mostrar uma postura de defesa da sustentabilidade, com foco no ESG, o vídeo dava dicas de como reduzir os gases geradores do efeito estufa. Entre elas, reduzir o consumo de carne de boi. Indignados com a associação entre o bife e a crise climática, os produtores fizeram barulho e foram ouvidos pelo banco que, com receio de perder os clientes, recuou, negando o apoio ao vídeo e dizendo que o conteúdo trazia uma “posição descabida”.


No caso do churrasco do Bradesco, quem saiu chamuscado foi o banco. A reviravolta em sua posição, de patrocinador de mensagens de consumo consciente a crítico desta posição indicou, para muitos especialistas e o público em geral, que seu discurso pró sustentabilidade está em segundo plano diante de seus interesses comerciais.


E É SÓ O COMEÇO


Importante notar que estamos apenas no primeiro bimestre de 2022 e já temos duas crises de reputação significativas, geradas neste caso por “derrapadas” no posicionamento e escolha equivocada de geradores de conteúdo a quem apoiar. Os fatos demonstram a sensibilidade do momento, que tende a crescer ainda mais num ano em que questões eleitorais e de fim ou não da pandemia deverão colocar o nível de excitação nas mídias sociais em patamares estratosféricos.


Quer saber o que fazer para defender a reputação de sua marca ou negócios neste explosivo ambiente midiático? Aguarde nossas dicas no artigo da semana que vem. Não aguenta esperar? Entre em contato agora com nossos especialistas.

72 visualizações0 comentário